Somengil

Lavagem Industrial / Artigos

Soluções antissépticas em ambiente hospitalar: o que são e porque são importantes

As infecções hospitalares são uma das principais causas de morte no mundo todo. Descubra como as soluções antissépticas ajudam a controlar este risco.

Soluções antissépticas em ambiente hospitalar: o que são e porque são importantes

Tempo de leitura10 minutos de leitura

2022-06-02 17:09:53

As soluções antissépticas são uma das mais importantes ferramentas de combate às infecções hospitalares, um dos principais flagelos com que a área hospitalar se depara. No Brasil, por exemplo, entre 16 e 37 pessoas contraem infecções hospitalares a cada 1.000 pacientes, o que representa uma taxa média de 9%, com uma letalidade de 14,35%, de acordo com dados da OMS e da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).

Estudos realizados estimam que os custos diários, por paciente com IRAS (Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde), é 55% superior ao de um paciente sem IRAS, indica a Anvisa.

Descubra o que são soluções antissépticas e em que medida ajudam a controlar o risco de infecções em ambiente hospitalar.

O que são as soluções antissépticas?

As soluções antissépticas são medicamentos que têm como objetivo reduzir, eliminar ou inativar microrganismos em tecidos vivos. Diferem do ato de desinfetar na medida em que este último se aplica apenas e só em meios inertes contaminados, ao passo que as soluções antissépticas se aplicam em tecidos vivos.

Apenas se obtém uma real ação antisséptica se a superfície estiver previamente limpa, enxaguada e seca, pelo que estes primeiros passos são decisivos para a eficácia dos seguintes. As soluções antissépticas atuam de duas formas: por inibição ou por letalidade. Dito doutro modo, podem obstar ao crescimento dos microrganismos ou ir mais longe e matar bactérias, vírus e fungos.

Alguns antissépticos reúnem estas duas ações em simultâneo, estando a eficácia associada à velocidade do efeito letal. Apesar da sua rapidez de ação, exercem também um efeito residual prolongado e persistente, sobretudo na ausência de enxaguamento. Algumas das soluções antissépticas mais usadas em Portugal são o álcool, a clorohexidina e a iodopovidona (substância presente, por exemplo, no medicamento Betadine).

A utilização destas e outras soluções traz vários benefícios ao ambiente hospitalar, à saúde dos pacientes e dos profissionais.

Quais as vantagens das soluções antissépticas hospitalares?

A mobilidade dos profissionais de saúde, muitas vezes sem os cuidados adequados, aliada a um processamento inadequado de materiais e fluidos, constituem um cenário favorável ao desenvolvimento de infecções. As soluções antissépticas desempenham, dessa forma, um papel fundamental nas práticas de controle e prevenção de infecções - seja na assistência aos pacientes em hospitais, atendimento ambulatório, clínicas ou consultórios.

Nestes ambientes, a prevenção começa com algo tão simples como a lavagem das mãos. Uma vez que as mãos entram em contato direto com áreas anatômicas e materiais potencialmente infectados, a proteção, para ser eficaz, deve ser a primeira prioridade.

Logo após a lavagem das mãos, qualquer ação clínica ou médica deve ser antecedida pela assepsia das áreas anatômicas intervencionadas, como, por exemplo, as mucosas associadas à inserção de cateteres, a desinfecção da pele para a preparação da cirurgia, bem como o tratamento de infecções da pele, da boca e da garganta.

O ambiente operatório sempre foi entendido como a área onde os cuidados assépticos se revestem de uma importância ainda maior. A singularidade deste espaço, aliada à complexidade de procedimentos e intervenções que nele decorrem, torna-o o local onde há maior grau de assepsia e adesão às técnicas de esterilização.

Quais são as soluções antissépticas mais comuns?

As soluções antissépticas têm uma aplicação praticamente transversal a todos os processos terapêuticos e cirúrgicos. 

O álcool é uma das soluções antissépticas mais utilizadas para desinfetar as mãos – a simples fricção diminui de forma significativa a presença e transmissão de microrganismos, com consequente queda nas taxas de infecções hospitalares. Além disso, é muito bem tolerado pela pele, apresenta um baixo nível de toxicidade e tem uma ação rápida, sem representar um custo significativo na gestão financeira hospitalar.

A clorohexidina também é usada para desinfetar as mãos e, sobretudo, para antissepsia bucal. Apresenta também bons resultados contra a colonização e infecção bacteriana decorrente de colocação de cateteres vasculares e epidurais.

A utilização de iodopovidona também tem sido recomendada para a inserção de cateteres intravasculares (e ao longo da sua manutenção), e especialmente para a desinfecção do trato urogenital interno e externo e cateterização da bexiga. É amplamente utilizada para desinfetar pele lesionada, como é o caso de feridas, úlceras nas pernas e queimaduras.

Como utilizar soluções antissépticas?

A utilização de soluções antissépticas exige vários cuidados, para que de fato seja eficaz e proteja quem os utiliza. Estas são as 4 principais recomendações para serem seguidas:

1. Respeite o modo de utilização e conservação

A primeira e mais óbvia recomendação é que estas soluções devem ser utilizadas sobre os tecidos vivos – como a pele e mucosas – e não em materiais como os de desinfetar recipientes. Outra dica é não esquecer que a antissepsia se pratica apenas em tecidos previamente limpos, após uma limpeza, enxaguamento e secagem da zona.

É fundamental respeitar o modo de emprego, concentração e tempo de contato do antisséptico, assim como as datas de validade. A conservação é outro ponto crítico e as soluções devem ser armazenadas ao abrigo da luz e do calor, principalmente se forem inflamáveis.

2. Tenha atenção às incompatibilidades

Como qualquer outro medicamento, a maioria das soluções antissépticas tem contraindicações, que devem ser respeitadas. As principais estão relacionadas com a idade dos pacientes, mas podem igualmente existir restrições em relação aos tecidos onde serão aplicadas. O mesmo acontece com os produtos de lavagem utilizados no momento prévio à antissepsia. Por exemplo, é comum o registro de incompatibilidades com Dakin ou Clorohexidine. É ainda importante não misturar ou empregar sucessivamente dois antissépticos: deve ser utilizada sempre a mesma família destes medicamentos.

3. Imponha limites ao uso de antissépticos

A utilização dos antissépticos deve ser regrada, e há várias formas práticas para isto. A primeira é individualizar os antissépticos utilizados nos doentes em isolamento de contato, para evitar que sejam reutilizados noutros pacientes. Após a alta, os frascos devem ser descartados. Para evitar misturas que colocariam os doentes em risco, limite o número de antissépticos utilizados no mesmo serviço e evite o armazenamento de grandes quantidades nos postos de cuidados. Utilize de preferência doses unitárias ou embalagens pequenas, para facilitar a limpeza entre duas utilizações.

4. Crie uma política de gestão de antissépticos

Para promover uma utilização correta e uniforme dos antissépticos, é necessária uma política específica para a gestão de todo o seu ciclo de vida – da compra ao descarte. De preferência, este guia deve ser elaborado por um grupo multidisciplinar, composto por farmacêuticos, médicos e enfermeiros. O protocolo de gestão deve ser documentado, validado e auditado regularmente, e pode ter várias formas, de checklists a fluxogramas. De seguida, deve ser disseminado por toda a equipe através de formação e treino prático.

O meio hospitalar é, pela sua natureza, propício ao natural desenvolvimento de bactérias nocivas à saúde humana, e o desafio está em assegurar, diariamente, a segurança tanto dos pacientes como dos profissionais de saúde.

Em linha com esta preocupação, a Somengil desenvolveu um equipamento de lavagem industrial de última geração, especialmente dirigida ao setor hospitalar. A MultiWasher Healthtech recorre à mais recente tecnologia para aliar, de forma única no mercado, altas temperaturas e detergentes ecológicos, no sentido de eliminar o risco de propagação de doenças.

Entre em contato para descobrir o seu funcionamento, e veja como fará a diferença na gestão logística da sua unidade de saúde. Agende também um webinar, para assistir a uma atualização das tendências relativas à lavagem e desinfecção aplicadas à indústria alimentar, de catering e food service.

Regressar

Também pode gostar

Sistema de lavagem: qual o impacto na gestão hospitalar?
Lavagem Industrial / ArtigosArtigos
Sistema de lavagem: qual o impacto na gestão hospitalar?

Um sistema de lavagem eficaz tem um impacto direto nos principais indicadores hospitalares e pode representar poupanças importantes. Descubra com...

Postado em 2022-02-17

ISO 9001: o que é, requisitos, vantagens e limitações
Lavagem Industrial / ArtigosArtigos
ISO 9001: o que é, requisitos, vantagens e limitações

É o “selo” de qualidade mais importante, procurado por empresas do mundo inteiro. Afinal, o que significa e para que serve a certificação ISO 900...

Postado em 2022-10-06

O futuro já não é como antes: 4 tendências para o setor Horeca
Lavagem Industrial / ArtigosArtigos
O futuro já não é como antes: 4 tendências para o setor Horeca

Higiene, segurança, tecnologia e mudança. Estas são as principais tendências que vão marcar o setor Horeca (hotéis, restaurantes e cafés) nos pró...

Postado em 2021-11-18

Menu